Quanto Exercício devemos fazer?

Que exercício reduz o risco de uma série de doenças e distúrbios não é novidade pra mais
ninguém. O que vem sendo realmente debatido, neste momento, pela comunidade científica,
é o quanto e qual o tipo de exercício as pessoas devem fazer, para atingir tais
objetivos. Organizações de saúde ao redor do mundo, tem falado em 150 minutos de atividade
moderada ou 75 minutos de atividade vigorosa por semana como norma básica. Organizei um
Congresso em Medicina do Estilo de Vida, onde discutimos um estudo que põe em cheque as
atuais recomendações. De acordo com esse novo estudo, pelo menos quando se trata de
prevenção de doenças, podemos precisar de um pouco mais do que o que estamos
recomendando. Parece que quanto mais exercício e movimento, melhor. Felizmente, muitas
das tarefas cotidianas que alguns de nós fazemos todos os dias, como andar com o cachorro,
varrer o chão, subir escadas, também contam como exercício.
O exercício é geralmente medido em equivalentes metabólicos, o que chamamos de METs. Os
150 minutos de atividade moderada ou 75 minutos de atividade vigorosa correspondem a 600
METs por semana. Nesse estudo, publicado recentemente no British Medical Journal, a equipe
analisou dados de 174 estudos anteriores sobre o risco de doenças e atividade física total,
incluindo coisas como jardinagem, limpar a casa entre outros. Eles descobriram que a
obtenção de 600 METs / semana teve pouco efeito sobre o risco de 5 doenças analisadas
(câncer de mama, câncer de intestino, diabetes, doença cardíaca e acidente vascular cerebral).
As pessoas que fizeram essa quantidade de exercício, tiveram um risco de diabetes reduzido
em 2%, em comparação com os sedentários. Já as pessoas que fizerem maiores quantidades
de exercício no estudo (atingindo até 8.000 METs / semana) em comparação com aqueles com
os níveis de 600 METs / semana ou menos, tinham 14% de risco reduzido para o câncer de da
mama, 20% de risco reduzido para o câncer de cólon, 28% para o risco de diabetes, 25% para o
risco de doença cardíaca e 26% para acidente vascular cerebral. Um dado importante foi que
aqueles que alcançaram ao redor de 3 a 4.000 METs tiveram resultados progressivamente
melhores e que isso pode ser atingido com atividades cotidianas. Quando o assunto é exercício
físico, percebemos que a sociedade do mundo moderno, infelizmente, está cada vez mais
distante do modelo ideal de prevenção de doenças que é o de nos locomovermos cada vez
mais, assim como fizeram nossos antepassados.
Saúde à todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *