Estresse e aos Doenças do Mundo Moderno.

Quantas vezes você já ouviu que aquela dor de cabeça, tontura ou mal-estar que vem sentindo não é nada além de “estresse”? Mas o que vem a ser este tão comentado quadro ou estado de  “estresse” , responsável por grande parte das visitas aos nossos consultórios nos dias atuais? O estresse pode ser entendido como uma reação fisiológica do corpo quando este sente-se ameaçado. É a chamada reação ou resposta de luta ou fuga. Isso se dá em um processo natural de 03 fases: reação de alarme (primeiro contato), fase de resistência (adaptação) e fase da exaustão. É nesta terceira fase que mora o problema, pois a exposição prolongada ao mesmo estressor pode levar a exaustão e morte do organismo em questão.

O estresse pode ser biológico (ex: bactérias), ambiental (ex: calor extremo) mas aqui descorreremos sobre os fatores estressores psicológicos e sociológicos tão vivos em nossa realidade atual. Estes,quando percebidos por nossa mente, são decodificados pelo nosso cérebro em um centro chamado hipotálamo, que é o grande responsável pela conexão corpo-mente. A partir daí são ativados 2 trajetos: Sistema Endócrino e o Sistema Nervoso Autônomo. 

O Sistema Endócrino inclui todas as glândulas secretoras de hormônios. Estes hormônios são levados pelo sistema circulatório a vários alvos alterando a função do órgão ou tecido em questão. Inclui a hipófise, a tireóide, a para-tireóide, as supra-renais, o pâncreas, os ovários, os testículos, a glândula pineal e o timo. Dentre estes órgãos os mais importantes na reação do estresse são a hipófise, as supra-renais e a tireóide secretando hormônios, como o cortisol e a adrenalina, que terão reflexos em nossos sistemas orgânicos (cardiovascular, gastrointestinal, pele, músculos).  

O Sistema Nervoso Autônomo (SNA) é o responsável pelo controle de funções involuntárias do organismo como os batimentos cardíacos e a pressão arterial. Ele é subdividido em 2 sistemas: Simpático (acelerador do organismo e responsável pelo consumo energético) e Parassimpático (freio do organismo associado a conservação de energia). Quando um organismo é afetado por um agente estressor, depois da decodificação que ocorre no hipotálamo, ocorre uma ativação do SNA que leva ao aumento da freqüência cardíaca, dilatação de pupilas, aumento de circulação para os músculos nos preparando para a “luta ou fuga” e, logo após, freio destas atividades voltando a normalidade. É o equilíbrio do sistema.

A essa relação toda descrita acima damos o nome de Psicofisiologia do Estresse. O mecanismo todo ocorre devido às necessidade orgânicas daquele preciso momento e isso é fisiológico, natural, sendo chamado de “estresse positivo”. Porém, com o acúmulo de agentes agressores atingindo o organismo associados a respostas desordenadas damos o nome de “distresse” ou “estresse negativo” com a perda do equilíbrio do SNA (descrito acima) e a danos funcionais ao organismo levando ao aparecimento de doenças.

Hans Selye, um dos pioneiros deste estudo, define o estresse como “resposta inespecífica do corpo a qualquer coisa que lhe seja solicitado”. Por este prisma, percebemos que não apenas mudanças externas ruins como morte de uma pessoa amada e desemprego, mas também as positivas como o nascimento de um filho ou a promoção de cargo, podem ser entendidas como eventos estressores desencadeando as mesmas reações fisiológicas. O casamento ou nascimento de um filho pode estar sendo planejado por anos mas, mesmo assim, é entendido pelo corpo como uma mudança e ganha pontos na escala de estresse. O que devemos é fazer o máximo possível para que esse seja um estresse positivo nos preparando da melhor forma possível, diminuindo o número de variáveis que poderão tornar uma história linda em distresse, como por exemplo deixar os arranjos de flores ou a arrumação do quarto do filho para a véspera.

O equilíbrio emocional é, sem dúvida, a melhor saída para mantermos uma relação corpo-mente saudável. Em primeiro lugar devemos devemos fazer o diagnóstico. Hoje contamos com métodos que nos dão a capacidade de entender o que está acontecendo com essa balança do Sistema Nervoso Autônomo (SNA). Uma boa história clínica deve ser o ponto de partida. A seguir, podemos com o auxílio de aparelhos de Biofeedback, que tem por objetivo entender a interação desses sistemas descritos acima, obter um panorama da situação. A globalização e a tecnologia nos permite usar nos nossos pacientes de consultório os mesmos aparelhos usados por instituições como a NASA e o Exército americano na avaliação do perfil psicológico de seus profissionais.

Abordagens através de intervenções na situação de vida e na percepção do estresse desses pacientes são então necessárias. Podemos usar desde diferentes técnicas de relaxamento como a meditação, relaxamento progressivo e ioga, até o uso desses aparelhos de Biofeedback, descritos acima, para este propósito. Não podemos nos esquecer de mudanças de comportamento em hábitos fundamentais como nível de atividade física e nutrição adequada. Comer bem e exercitar-se é fundamental. O apoio psicoterápico, medicamentoso e o suporte nutricional com suplementos minerais e vitamínicos muitas vezes se faz necessário. Na minha experiência clínica, esse suporte nutracêutico (mineral, vitamínico,ácidos graxos, fitoterápicos, entre outros) é essencial para uma adequado equilíbrio orgânico e recuperação dos pacientes, principalmente aqueles que já se encontram na fase de exaustão que também pode ser chamada de Fadiga Crônica (Síndrome reconhecida pelo CDC americano desde o final dos nos 90).

A importância dessa questão é tão grande que, nesta último ano, nos motivou À criação de uma Associação (Associação Brasileira de Saúde Funcional e do Estilo de Vida – ABRASFEV) que representa a Medicina do Estilo de Vida em nosso país e tem como um dos pilares, a adequada compreensão e intervenção no estresse. Entender melhor a relação do estresse e do comportamento  no desenvolvimento de doenças nos dias modernos e abordar de forma correta, com mudanças no estilo de vida, pode reduzir de forma drástica o índice de Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT). 

O importante não é viver sem estresse, mas saber tirar o melhor proveito dele. Saúde À todos!


The Schedule of Recent Experience (escala de estresse desenvolvida pela Universidade de Washington)

Escore de estresse desenvolvido pelo Dr. Thomas Holmes, baseado nos eventos ocorridos no último ano. Coloque o número de vezes que cada evento citado ocorreu com você no último ano. Se o número de vezes for superior a 4, considere 4. Então, multiplique pelo valor correspondente ao evento citado e some os escores para chegar ao total. Escores superiores a 200 significam alta carga de estresse há longo tempo e escores superiores a 300 significam um possível “burnout” (esgotamento) com grande risco à saúde.  

# Evento # vezesvalorescore 
1Muito mais ou muito menos problemas com o chefe.
x 23 =
2Grande mudança nos hábitos de dormir (dormindo muito mais ou muitos menos, ou mudança no horário de dormir).
x 16 = 
3Grande mudança nos hábitos alimentares (comendo muito mais ou muito menos ou horários muito diferentes de refeição)
x 15 = 
4Mudança de hábitos pessoais (maneira de vestir, modos, costumes, etc).
x 24 = 
5Grande mudança no tipo ou quantidade de lazer.
x 19 = 
6Grande mudança nas atividades sociais( clube,cinema,visitas aos amigos, etc).
x 18 = 
7Grande mudança nas atividades religiosas (participando muito mais ou muito menos das atividades usuais).
x 19 = 
8Grande mudança no número de reuniões familiares ( muito mais ou muito menos que o usual)
x 15 = 
9Grande mudança na situação financeira (muito melhor ou muito pior).
x 38 = 
10Problemas familiares.
x 29 = 
11Aumento no número de discussões com o cônjuge                    ( envolvendo criação de filhos, hábitos pessoais, etc)
x 35 = 
12Problemas sexuais.
x 39 =
13Doenças pessoais.
x 53 = 
14Morte de familiar .
x 63 = 
15Morte do cônjuge.
x 100 = 
16Morte de amigo próximo.
x 37 = 
17Novo membro familiar (nascimento, adoção,alguém se mudando de casa ou  se mudando para sua casa)
x 39 = 
18Grande mudança na saúde ou comportamento de membro familiar direto.
x 44 = 
19Mudança de residência.
x 20 = 
20Prisão.
x 63 = 
21Violações da lei 
x 11 = 
22Grande mudança nos negócios ( desemprego, falência).
x 39 = 
23Casamento.
x 50 = 
24Divórcio. 
x 73 =
25Separação.
x 65 = 
26Conquista de metas pessoais.
x 28 = 
27Filhos saindo de casa (faculdade, casamento, intercâmbio)
x 29 = 
28Aposentadoria.
x 45 = 
29Grande mudança nos horários de trabalho ou nas condições de trabalho.
x 20 = 
30Grande mudança na responsabilidade de trabalho ( promoção, demissão ou transferencia).
x 29 = 
31Foi despedido do trabalho.
x 47 = 
32Grande mudança nas condições de moradia( construindo, reformando, problemas com vizinhos).
x 25 = 
33Cônjuge iniciando um trabalho ( fora de casa).
x 26 = 
34Hipoteca para compra de moradia ou comércio
x 31 = 
35Empréstimo para a compra de carro ou outros bens.
x 17 = 
36Pagamento de hipoteca ou empréstimo.
x 30 = 
37Férias.
x 13 = 
38Escola nova.
x 20 = 
39Mudança profissão .
x 36 = 
40Formatura.
x 26 =
41Reconciliação conjugal.
x 45 = 
42Gravidez.
x 40 = 

Total 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
Atendimento online